# # # # #

10 regras de limpeza impossíveis de ignorar em seu restaurante

13

set

2017

Essa lista funciona como o guia perfeito para manter seu restaurante sempre em ordem

Você que é dono de restaurante sabe muito bem que existe uma rotina muito agitada antes, durante e depois do período de atendimento ao público, não é mesmo?

A limpeza é uma das atividades que está muito presente em todos esses momentos. E não é só uma questão de “passar um paninho”. São muitos detalhes que precisam de atenção e dá trabalho cumprir essa missão.

Mas não há motivo para pânico, porque vamos mostrar as principais regras de limpeza que você deve seguir.

Inclusive, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é rigorosa e por isso mesmo nos baseamos nas orientações da própria agência para ajudar você a se adequar e manter seu restaurante sempre em ordem.

  1. Ambiente bem conservado

Tanto o ambiente de preparo da comida, como o de armazenamento e o espaço de atendimento deve ser muito bem conservado. Rachaduras nas paredes, por exemplo, podem provocar o acúmulo de sujeira.

Goteiras, mofo, infiltrações… nada disso tem vez em um restaurante, principalmente na cozinha.

 

  1. Acabou o dia de trabalho? É hora da limpeza!

Todos os dias, ao encerrar as atividades, tem que fazer a limpeza do restaurante. Mesas, cadeiras, utensílios de cozinha, o chão, os banheiros, enfim, tudo precisa ser bem higienizado e deixado pronto para o uso no dia seguinte.

 

  1. Restaurante organizado, limpeza garantida

Lugares mal organizados dificultam bastante a limpeza e ainda aumentam o acúmulo de sujeira. Na cozinha, principalmente, tudo precisa estar em ordem.

 

  1. Conservação das superfícies que entram em contato com alimentos

As bancadas em que os alimentos são cortados, por exemplo, devem estar em bom estado e sempre limpas.

Com o desgaste do uso contínuo é possível que apareçam rachaduras, por exemplo, e resíduos de comida, ou até mesmo líquidos, podem ficar por ali e multiplicar a proliferação de micróbios.

 

  1. Banheiros limpos e longe da cozinha

Essa é uma questão básica. Banheiros precisam estar muito bem equipados com sabonete, papel higiênico e papel toalha.

O ambiente tem que estar bem conservado e muito limpo. As lixeiras também merecem atenção, pois precisam ser sempre limpas e esvaziadas.

Nunca é demais repetir: após usar o banheiro as mãos devem ser muito bem lavadas. Nada de só passar uma água. Tem que esfregar as mãos com sabão, fazer o enxágue, secar bem e se possível ainda fazer a higienização antisséptica ao final do processo com algum gel.

 

  1. Lavar e desinfetar a caixa d’água

Pelo menos a cada seis meses a caixa d’água precisa passar por um processo de higienização, o que quer dizer que ela precisa ser lavada e também desinfetada.

Além disso, ela precisa ser bem tampada para evitar ao máximo que qualquer tipo de material entre em contato com a água.

 

  1. Lixeiras higienizadas, com tampa e pedal

Sim, tem que lembrar de limpar a lixeira também. E quando o lixo for retirado, isso deve ser feito fora da cozinha.

O ideal é que o manuseio seja feito com luvas. Para minimizar mais ainda o contato com o lixo, o pedal para a abertura da tampa é a melhor opção.

 

  1. Colaboradores atentos aos detalhes

Os colaboradores devem não só observar as regras de limpeza do ambiente, como as pessoais.

Ao trabalhar com alimentos, é importante manter:

  • Os cabelos presos;
  • O uniforme limpo – se o colaborador atuar na cozinha, o uniforme deve ser usado somente nesse ambiente;
  • Os acessórios como brincos e anéis guardados durante o trabalho;
  • As unhas curtas e sem esmaltes;
  • A saúde em dia.

 

  1. Limpar as embalagens dos produtos antes de abrir

Além de estarem em boas condições – sem amassados, ou rasgos – as embalagens dos produtos precisam ser limpas.

Lembre que elas passaram por um longo trajeto até chegar em sua cozinha, desde o veículo de transporte até as prateleiras da empresa fornecedora. Então é válido gastar uns segundos para fazer a limpeza e evitar contaminações.

 

  1. Colaborador que entra em contato com a comida não encosta em dinheiro

E ponto final. Dinheiro e cartões circulam pelos mais variados ambientes e são uma fonte de micróbios.

 

[Extra]

Nunca sirva alimentos com risco de contaminação

Por mais óbvia que pareça a afirmação acima, ainda é possível encontrar relatos de empreendimentos que tiveram a imagem prejudicada por oferecer pratos com alimentos contaminados.

Revise quais os principais fatores de contaminação e evite-os em seu restaurante:

→ Falta de higiene das mãos e unhas;

→ Armazenamento inadequado do estoque de comida (em condições de temperatura incorretas, por exemplo);

→ Contaminação cruzada, ou seja, a transferência de microorganismos de um alimento para outro, como pode ocorrer entre uma carne crua e vegetais;

→ Equipamentos e utensílios de cozinha mal higienizados;

→ Presença de insetos na cozinha devido a falta de manutenção de limpeza e conservação do ambiente.

 

Pronto, agora é só partir para a ação e colocar essas medidas em prática!

Referências Bibliográficas

Cartilha de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)