# # # # #

Saiba como criar um site para restaurantes delivery

11

jun

2018

Há muitas ferramentas online para facilitar a vida do dono de restaurante, mas ainda surgem dúvidas sobre como criar um site de forma segura

 

Ouvir a frase “procurei vocês na internet e não encontrei” é algo que os empresários donos de restaurantes buscam evitar ao máximo, mas na hora de aderir ao mundo online, muitos têm dúvidas sobre como criar um site delivery.

Embora o tema pareça muito nebuloso para alguns, há como descomplicar. Só é preciso tomar alguns cuidados antes de marcar presença na internet.

Conversamos com Gustavo Bonato Abrão, VP de conteúdo da NZN, sobre como criar um site adotando medidas de segurança simples e que são úteis para proteger sua marca.

Ele vai nos ajudar nessa missão para que você possa dar os primeiros passos e criar seu site.

 

Ter ou não ter, eis a questão

Antes de mais nada pare e pense: meu restaurante precisa de um site?

É provável que sua resposta seja “sim”. Mas a partir desse ponto, verifique se não é o caso de ter algo mais simples inicialmente. Quando se trata de restaurantes, muitas vezes um site que contenha informações do cardápio, aliado a redes sociais já é o suficiente.

Bonato acredita que “tudo depende da natureza do seu negócio, do seu dinheiro e do momento que você está vivendo.”

Ele ressalta que o Facebook, por exemplo, monopolizou a atenção das pessoas e por isso ter uma fanpage e um site mais simples podem resolver a questão.

Avalie se essas soluções se encaixam no seu modelo de negócio e siga em frente.

 

“Sua marca será só para o mercado nacional?”

Se sua resposta foi, mais uma vez, sim, então aí vai a dica:

“Então você terá que achar um nome para o domínio [endereço online para acessar seu site] disponível no ‘.com.br’. Recomendo verificar se esse nome também estará disponível no Facebook, no Instagram e no Twitter. Qualquer rede social que tenha relevância para seu público.”

Quando fizer essa pesquisa, lembre-se de escolher um nome para a marca que seja compreensível em português, mais curto e fácil de digitar.

Segundo Bonato, muitas pessoas acabam criando nomes compostos, ou com repetição de letras, o que dificulta a digitação. Com isso, o internauta pode se confundir e escrever de uma forma diferente.

Esse é um alerta para a compra de domínio: se houver a possibilidade de erro de grafia, aproveite para registrar esse outro endereço também.

“Por exemplo, temos a marca Baixaki [na NZN]. Muita gente escreve com ‘qu’. Então registramos desde o começo com ‘qu’ também. Se você não faz isso e o negócio cresce, depois alguém vê que você tem uma certa relevância, faz um nome parecido, e o internauta digita errado e acaba caindo nesse outro site.”

Pensou na marca? Agora registre INPI

Esse é um dos passos mais importantes. Encontrar um domínio disponível no Registros.br, departamento do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (.br), já é um bom sinal, mas é válido fazer uma pesquisa no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Muitas vezes é possível encontrar o mesmo nome de marca, mas com naturezas de negócio diferentes. Bonato usou um exemplo bem prático, que é o da revista Veja e do produto de limpeza Veja. Ambos utilizam o mesmo nome, porém atuam em áreas diferentes.

Essa questão é importante para que se possa fazer uma reivindicação da marca caso alguém esteja usando ela para a mesma natureza e em outro empreendimento.

“Digamos que você consegue pegar o domínio, mas às vezes se alguém já está usando esse nome, na natureza em que você está colocando o seu negócio, essa pessoa pode reivindicar esse nome e você pode perder o domínio, ou até mesmo a fanpage no Facebook.”

Se o nome for algo muito comum, o cuidado é redobrado, pois há mais chances de já existir um registro.

“Se é uma empresa séria, tem que registrar no INPI. Se tiver qualquer problema jurídico e você estiver registrado lá, você vence.”

 

Enfim, a compra do domínio

Ainda pensando em como criar um site? Bem, vamos para a última dica.

Depois de avaliar qual é o melhor formato de site, de definir qual nome será utilizado e fazer os procedimentos do INPI, chega a vez do domínio.

É importante que a compra e registro do domínio seja feita por você e não pela empresa que criará seu site, se esse for o caso. Trata-se de uma propriedade e é preciso ter autonomia para usá-la a seu critério.

A partir disso, Bonato exemplifica duas situações:

 

  • Contratar alguém

Comprar um domínio no Registro.br, que é mais barato e mais simples, implica no fornecimento do chamado endereço de servidor DNS (Domain Name System – sistema de nomes de domínios). Esse endereço precisa ser direcionado para o plano de hospedagem que você contratar. Só assim o endereço online, ou URL, irá funcionar.

No mercado hoje encontram-se planos em empresas conhecidas como Hostgator, ou Locaweb, por exemplo. Faça uma pesquisa para verificar qual oferece o melhor suporte, as funcionalidades mais adequadas e os valores que se encaixam em seu orçamento.

Não tem experiência em programação? Então, nessa etapa, é válido contratar um profissional para descomplicar esse processo e estruturar o site.

“Se você contratou alguém, então o Registro.br é a melhor opção, porque assim é só comprar o registro e passar o DNS para o profissional,  que depois fará o redirecionamento.”

 

  • Fazer por conta própria

Nesse caso, se você entende um pouco mais sobre desenvolver sites, uma aposta é investir em um plano de hospedagem que entregue recursos variados, incluindo o próprio domínio.

Bonato sugere o GoDaddy.com.

“Há um plano que vem com WordPress pronto, por exemplo. A própria pessoa consegue instalar e redirecionar. Sai um pouco mais caro, mas é simples de manejar.”

 

Acabaram as dúvidas sobre como criar um site? Depois de seguir essas dicas, se você quiser apostar em eficiência e praticidade no seu restaurante, pode saber que o Sistema Vitto é uma excelente opção. Você terá uma ferramenta completa para pedidos online por um ótimo custo-benefício e com toda a adaptação necessária para manter sua identidade visual. Entre em contato pelo comercial@sistemavitto.com.br, ou pelo (41) 3434-3009, e saiba mais.

 

Quer ter mais dicas sobre tecnologia? Então não se esqueça de deixar um comentário para nós!

Gostou? Comente